11.1.08

Aterrar em Alcochete

O Governo aprovou o Campo de Tiro de Alcochete como localização do novo aeroporto internacional de Lisboa, ficando afastada a opção pela Ota. Foi a vitória do bom senso e do ordenamento. Mas não foi uma vitória dos governos. (...)
Também é preciso extrair consequências políticas de todo este processo. É patente que a Democracia é a decisão do Estado precedida por debate na sociedade ciil. A decisão por Alcochete foi boa porque, desta vez, o Estado não foi arrogante.
Mas agora vem o grande desafio do ordenamento. O desenvolvimento integrado do território que se estende desde o litoral alentejano a Espanha, pode começar pelo grande estaleiro de obras na Europa que será o NAL em Alcochete. É preciso apressar a ligação Lisboa Madrid em comboios de Alta Velocidade. É preciso assegurar a terceira travessia do Tejo pelo Montijo.
É preciso que a ligação ferroviária em Alta Velcidade com o Norte se faça pela margem esquerda do Tejo Mas está o Governo preparado para coordenar estas políticas sectoriais de transportes? Existe visão estratégica para perceber que o ordenamento está nas nossas mãos e não depende nem de Bruxelas nem de Washington? Poderemos continuar a ver aprovados quase clandestinamente programas como o PROT.AML, sem ponderarmos alternativas sobre a localização de grandes equipamentos estruturantes?
A escolha de Alcochete foi uma vitória do ordenamento. Agora faltam outras decisões críticas para as quais o país tem de continuar vigilante.
Leia aqui o artigo todo

2 comments:

Zé da Burra o Alentejano said...

Agora sobre as travessias por força do aeroporto de Alcochete, continuo a insistir na travessia ferroviária (TGV e outros) entre Montijo e Chelas e na rodoviária entre a Trafaria e Algés (fechando a CRIL que "morre" subitamente em Algés).

O trânsito do novo aeroporto far-se-ia assim, sobretudo pela ponte já existente do Montijo. Parte do seu actual trânsito passaria a utilizar a ponte 25 de Abril ou o novo comboio (Montijo-Chelas).

Com a deslocação de parte do trânsito da ponte 25 de Abril para a Trafaria, a ponte 25 de Abril ficaria disponível para receber o trânsito que seria deslocado do Montijo. Falta quantificar, mas não deve ser muito caro...

A travessia (ponte ou túnel) terá um dia que ser feita porque a CRIL termina de forma abrupta em Algés.

Anonymous said...

Parabéns, caro Mendo, pela luta democrática que juntamente com outros encetou.