Não percebo tanta confusão!

Não sei porque fazem tanta confusão sobre as origens da bandeira da República. Basta pensar na bandeira italiana, verde, vermelha da Carbonaria ( não confundir com a pizza) a ladear o branco tradicional dos estados papais. Também a Portuguesa veio directamente dos Centros Carbonários como a ilustração mostra

O 31 de Janeiro

Segue excerto de discurso na AR do grande Henrique Barrilaro Ruas:sunny:

II Legislatura - 1981-02-03

Como não lembrar que os ideólogos do 31 de Janeiro se batiam (na esteira de alguns vintistas e, sobretudo, de Félix Henriques Nogueira) pelo mais declarado iberismo?
Esse iberismo, no entanto, nascia -para esses homens- da mesma fonte que o patriotismo. As reminiscências clássicas e o culto romântico pelas estruturas tradicionais levavam os investigadores da Portugália à afirmação de valores comunitários que antecediam a zona histórica em que as fronteiras se tinham fixado dentro da Península e as dinastias nacionais começaram a desempenhar o seu papel de símbolos. Assim, o patriotismo dos revolucionários do 31 de Janeiro fazia curto-circuito: porque, sobrevoando séculos e milénios, reunia num só amor essas antiquíssimas raízes e o sentido imperial da Lusitânia desembarcada em África. Não nos escandalizemos ao ver boa gente portuguesa -daquela que a história de sete ou oito séculos ensinara a ser portuguesa - estremecer de horror diante da miragem do federalismo ibérico, que fazia as delícias (e o martírio) de um Antero de Quental, de um Oliveira Martins, de um Teófilo Braga, de um Basílio Teles, de um Anselmo Braamcamp Freire.
E houve momentos em que o conflito dos dois patriotismos - o que se revia na Restauração do 1.º de Dezembro, e o que a repudiava - se tornou sangrento e fratricida. Sucessivamente, o 31 de Janeiro de 1891, o 1.º de Fevereiro de 1908 e o 5 de Outubro e 1910 provaram a força das ideias e que essas ideias, quando se transformam em ideologias, são inimigas das pátrias e dos homens.


new Russian military doctrine

Ilya Platov responds to the questions of Harry Papasotiriou and Tom
Hashimoto (29 January), regarding the new Russian military doctrine:

1) In the communication of General Gareev, China is mentioned only
once, in a positive context--together with NATO, the European Union and
India, it is considered to be an essential pillar of the multipolar world
Russia is calling for.

2) North Korea is mentioned only once, again in a positive context: the
General considers that poverty is not the only cause of terrorism, and
uses the example of North Korea, which is a poor country without
terrorism. (Terrorism for Russia is always terrorism against the State.
The term “rogue state” is not a part of the Russian political vocabulary.)
Training the North Korean military is a different issue. I have no
information about this; if it were true, it would not be in the Russian
government's interest to disclose it. In my opinion, however, Russia does
not want a nuclear power near its borders. It is therefore unlikely it
would assist NK with its nuclear program.

3) It is not currently “politically correct” to consider China a
“threat” (that country recently celebrated a “year of Russia”). The
Russian military reacted in a contradictory fashion to the Chinese
satellite destruction. Profitable military and energy contracts, support
for an anti-NATO strategy in the South (Iran and the Caucasus) make China
an indispensable ally for Russia. Again, it is Russia’s strategy in the
“Near Abroad” that dictates the choice of “external” allies. China is not
viewed as a rival in this region. We can predict that in the future,
provided that Russia’s relations with the EU will go sour because of
Ukraine or Georgia, Russia will seek compensation in an “eastern
alliance," something that “Eurasianist” ideologists are currently
advocating (historically, failure in the West invariably pushed Russia to
explore the possibility of eastern expansion--Central Asia after the
Crimean War in the 1860s, Far Eastern policy prior to Russian-Japanese

Outra vez os petro dollars, estúpido! Agora o Kuwait

Kuwait May Abandon Dollar Peg to Protect its Economy

By Will McSheehy


Jan. 24 (Bloomberg) -- Kuwait, the third-largest Arab oil producer, may abandon the dinar's peg against the dollar in favor of a basket of currencies to help minimize economic harm after the dollar declined.

``We might go to a basket for an interim period,'' Bader al- Humaidhi, Kuwait's finance minister, told reporters today at the World Economic Forum in Davos, Switzerland. ``The dollar fell a lot against the euro last year, but if we'd been linked to a basket we wouldn't have suffered'' as much.

Al-Humaidhi declined to comment on which currencies might be in the basket. A switch from the dollar is being studied by Kuwait's central bank, he said. The Kuwaiti dinar rose to 0.28915 against the dollar as of 4 p.m. in London, from 0.28920 yesterday, according to Bloomberg data.

Dollar reserves are being replaced with euros by oil producers, including the United Arab Emirates and Venezuela. China, which has the world's largest foreign-exchange reserves, and Indonesia say they plan to increase euro reserves and Iran says it's boosting oil sales priced in euros.

The dollar has declined 5.2 percent against the euro in the past 12 months. The currency traded at $1.2955 against the euro at 12:47 p.m. in New York from $1.3026 yesterday, when it reached a two-week high of $1.3044.


Doutrina Militar Russa - Revisão de Janeiro de 2007

Do meu colega WAis Ilya Platov recebi o seguinte:
The new Russian military doctrine presented on January 20th 2007 by General Gareev. The purpose of the new doctrine, elaborated under the auspices of the Russian General Staff and under the supervision of the President's Security Council, is to supersede the already existing "new" doctrine presented in 2000. What justifies such a change seven years later? Two issues are of interest: a) the definition of the most important threats to Russia from the outside, and b) military reform. The latter issue will be of a particular concern for Russian society, where the current draft system inherited from the USSR is considered to be corrupt, ineffective, and threatening to the lives of new recruits.

General Gareev justified the necessity for a new doctrine by announcing significant shifts in the "geopolitical and military-political sphere." He stated that some points of the previous doctrine are outdated and do not reflect Russia's new geopolitical situation. From an international relations standpoint, the fact of a new doctrine is part of a more general trend towards a "clarification" of Russia's positioning on the global arena. Priorities are much more clearly defined, as well as its main priorities and targets.

1) About the exact nature of "menaces," the doctrine is purposefully vague. Gen. Gareev made reference not only to direct military threats, but also to "covert" political, military and economic "threats," putting on the same level the collapse of the USSR and Yugoslavia, and recent "revolutions" in Georgia, Ukraine, and Kyrgyzstan, sponsored according to him by NATO and the US. Russia clearly wants to send an unambiguous message to the West to stay out of the "Near Abroad," considered as the main geopolitical priority, hence the necessity to keep a large army capable to protect an extended border.

2) At the same time, Gen. Gareev considers that the future war will be a "partisan" war, and not a "global conflict" with a great power. Internal security threats ("terrorism and separatism"), an avowed priority, are directly linked to the situation in the former Soviet republics. While their relative autonomy in the foreign policy domain is tolerated, any attempt to go to the "enemy side" provokes a very harsh reaction (i.e. deployment of NATO troops in Crimea, Georgia, etc.).

3) Concerning nuclear power, Russia needs to continue to develop its nuclear arsenal, as the possibility of global conflict is not excluded (NATO? China?). "Wars of the future will necessitate conventional, high-precision weapons, under a permanently maintained threat of using nuclear weapons."

The doctrine is pragmatic in inspiration: it discards "ideological issues" in favour of a 19th century-style realpolitik (this is my own impression). The NATO and US are not considered as ideological rivals, but competitors with whom it is possible to cooperate in selected fields (like anti-terrorism).

Perhaps the most interesting point is a renewed emphasis on energy issues, considered to be the main source of coming global conflicts in the next 10-15 years (very likely according to Gareev). Russia's main strength seems to be its energy resources. He pointed to the USA as the main source of such a threat, using Iraq as an example of a predatory quest for energy resources; he also mentioned the likelihood of "political and economic rivalries" arising from this competition. The general restated Russia's commitment to multilateralism, and estimated that the "USA is no longer able to carry the burden of global leadership," and that Russia is called to play the role of "geopolitical referee".

Concerning the much-needed reform of the Russian military, the doctrine states the following:

1) An assessment of the "critical" situation of the current system of obligatory military service: "the army […] is incapable of supplying young military men".

2) The new doctrine does not intend to eliminate obligatory military service, but to create a mixed system with a professional core supplemented by a draft army. The obligatory military service will be reduced from 2 to 1 year, and eventually to 6-8 months. While this does not solve Russia's problems, it will certainly reduce casualties due to mistreatment (usually carried on by second-year servicemen on the new recruits). According to Gen. Gareev estimates, the new system will be put in place within 5-6 years.

It is difficult to appreciate at this moment the reaction of the Russian public to the new doctrine. Media close to Putin underplay the "hostile" element of the doctrine, stressing that US and Russia are "partners" in the war against terror. The main concern will however be the issues of the reform of the military. Some observers consider that the doctrine advanced by Gareev artificially boosts the importance of "global threats" in order to justify the maintenance of a large Soviet-style army.


Sorte, por Pedro Cem

Quando era pequeno, três amigos fomos nadar para uma velha salina, em Darque, Viana do Castelo. Um de nós quase morreu afogado. Lutámos durante muito tempo para que ele viesse ao de cima. Um lutou mais do que eu e arrastou-se para a margem, desistindo. Por fim ele emergiu das águas, pobre moço franzino e feio, filho das ervas, que não conhecera nem o pai, nem a mãe e nadou como um desesperado os poucos metros que o separavam da margem. Caímos exaustos os três na margem, ninguém nos ouviria se gritássemos, ali ficámos a tremer, em silêncio, a chorar, os três.
Eu vi Saddam Hussein morrer. Um morte assim faria de Hitler, ou de Estaline, ou de Mao Zedong, justos. Sim. E começaria a fazê-los justos uma hora antes. O mistério da Morte reduz-nos a todos, como uma descoberta milenar, à condição da verdade. Os Guerreiros que viveram a experiência da Morte sabem isto muito bem. Mas nós, como loucos de Sodoma continuamos a bailar e dançar. Pior, continuamos a pensar, julgando que descobriremos a chave do Mundo. Entrei hoje na Igreja e S. Paulo falava. As profecias são parciais, o conhecimento é como uma imagem obscura no espelho. Só o Amor, que se não impacienta, que tudo suporta, que não tem rancôr, nem orgulho, que não tem interesse, permanecerá. O amor do Padre Pierre que teve a sorte de ser reconhecido, o amor talvez do Ayatollah Sistani que evitou uma Guerra ainda maior, sim e até o "amor" de Bill Clinton por Monica Levinsky. Prefiro um rapazola, que ainda tem devaneios eróticos, a mandar em mim que uma data de revolucionários moralistas. Quero lá saber da Democracia e da Justiça. Se ela não tem Amor, de nada serve.
Gosto do meu Povo de tristes, que não acertam, que não reagem, que não atinjem. Sei que quase todos, em pensamento, meteram a cabeça na corda de Saddam Hussein para que nenhuma corda pudesse enforcar um milhão de cabeças e arrebentasse. Sei que o meu Povo ouve os que defendem o Sim e os que defendem o Não em relação ao Aborto porque tentam, no fim, julgar com o coração. Uns ouvem mais os casos das mulheres que arriscam a vida para abortar, outros sabem que o Amor não existiria sem se tornar na coisa amada, por mais pequenina, por mais semente que fosse essa coisa. E sei que muitos continuarão a pensar, a pensar, só para ouvirem bem o bater do coração. Gosto do meu povo que se põe do lado do Sargento Luís Gomes que se apaixonou por uma coisa pequenina, e sei que o meu Povo ama a mãe, a brasileira Aidida e que gosta também do pai Baltazar. E sei que ouve os juristas e os especialistas para ouvir bem, muito bem, onde bate o coração. Sei que o meu Povo não toma partido para vencer o partido contrário. Toma partido, para, na sua humildade e pobreza de espírito, puder contribuir para uma boa solução. Benditos sejam os pobres de espírito porque deles é o Reino dos Céus. Que sorte que tenho de ter nascido neste Povo, ou em outro qualquer. Maria de Fátima, a jovem desempregada que morreu sozinha em Braga e que estava grávida, não chegou a dar à luz. Foi encontrada vinte dias depois, em estado de decomposição com um envelope com bastante dinheiro ao lado e o telemóvel a carregar. Maria de Fátima não deu à luz, talvez se tivesse suicidado quando o seu ucraniano partiu deixando-lhe apenas o dinheiro. Mas nós, mesmos tristes e desgraçados, ouviremos aquele telemóvel, mesmo sem ter dinheiro para comprar um. Porque não estamos sózinhos, desde o ventre das nossas mães. Que Sorte que temos em ter Esperança, Boa-Esperança.

Dia 28 de Janeiro - S. Tomás de Aquino

Fresco de Fra Angelico

Reproduzo aqui um fragmento do estudo de Eric Voegelin sobre o "intellectus bovinus" como lhe chamaram. (Tradução a publicar em breve nos Estudos de Ideias Políticas)

A obra de Tomás de Aquino (1225-1274) absorveu-o literalmente - morreu exausto antes de perfazer 50 anos - e absorveu-o existencialmente porque foi a expressão de uma vida ao serviço da investigação e ordenamento dos problemas da sua época. Afirmar que foi um grande pensador sistemático é uma meia-verdade. Sabia aplicar a sua mente imperial à multiplicidade de assuntos que o atraíam e distinguia-se por ter uma personalidade rica em sensibilidade, magnanimidade, energia intelectual e espírito sublime. A exclusiva vontade de ordenamento poderia produzir um sistema que fosse mais notável pela coerência do que pela captação da realidade. A grande receptividade poderia ter originado uma enciclopédia. Mas as duas faculdades combinaram-se num sistema que assinala o impulso dinâmico de Deus para o mundo através da causalidade criadora, e do mundo para Deus através do desiderium naturale:

A origem desta combinação deve-se ao sentimento que fez de Tomás um santo: a experiência da identidade entre a verdade de Deus e a realidade do mundo.

"A ordem das coisas na verdade é a ordem das coisas no ser". Esta frase da Summa Contra Gentiles significa que o intelecto divino está impresso na estrutura do mundo; que a descrição ordenada do mundo resultará num sistema que descreve a verdade de Deus: que cada ser tem a sua razão e sentido na hierarquia da criação divina; que cumpre a finalidade da existência ordenando-se ao fim último que é Deus.

A frase também se aplica ao homem individual. Ontologicamente, o intelecto humano veicula a marca do intelecto divino. Metodologicamente, o uso do intelecto revela a verdade de Deus manifesta no mundo. Praticamente, a tarefa do pensamento significa a orientação da mente para Deus.

Na história do pensamento político, Tomás de Aquino divide duas eras: os seus poderes de harmonização foram capazes de criar um sistema espiritual que absorveu os conteúdos do mundo em transição: o povo revolucionário, o príncipe natural e o intelectual independente. O seu sistema é medieval enquanto manifestação do espiritualismo cristão: é moderno porque expressa as forças que vão determinar a história política do Ocidente até aos nossos dias - o povo organizado com constituição, a sociedade comercial burguesa, espiritualismo da Reforma e o intelectualismo da ciência. Alcançou esta espantosa concentração do passado e do futuro mediante o milagre da sua personalidade. Absorveu e manteve em equilíbrio sentimentos muito distintos. Tinha algo da receptividade de Frederico II às forças da época, mas ultrapassa-o em espiritualidade. Realça o individualismo de carácter de João de Salisbury pelo personalismo espiritual cristão; o seu humanismo digere Aristóteles e cria o estudo das instituições israelitas; o individualismo espiritual de S. Francisco aparece ainda mais radical no espiritualismo de Tomás; o populismo franciscano é continuado pela evocação da comunidade do homens politicamente livres enquanto a limitação de Cristo aos pobres é ultrapassado pelo reconhecimento das funções do príncipe; a consciência secular de Fiora é traduzida nas ideias da expansão da Igreja no mundo. O horizonte estreito da irmandade monástica é alargado à visão imperial de um mundo de comunidades perfeitas cristãs; o intelectualismo de Sigério é equilibrado por uma orientação mas com uma espiritualidade igualmente forte.

Através destes equilíbrios, Tomás de Aquino tornou-se figura única que pôde dar voz à Cristandade medieval imperial na linguagem do Ocidente moderno. Ninguém como ele poderia ter representado no estilo grandioso o homem ocidental espiritual e intelectualmente amadurecido.


Avé Pierre! par Pedro Cem

Je ne sais pas si l'Abbé Pierre est allé pour le ciel. Tout le monde le dirait puisqu'il était déjá une éspèce de Saint avant qu'il était mort.
Je crois qu'il n'est pas allé pour le ciel. Parce qu'il était un de ceux qui croyait que Jésus est venu habiter entre nous, juste comme l'invité des pélérins d'Émmaus. Il l'a fait quand il s'est joint à la Résistance pendant l'invasion de la France par les Allemands. Il l'a fait quand il a soulevé tout le pays, au début des années cinquante, pendant un Hiver éxcessivement froid qui à gélé à mort un bébé d'une famille pauvre. Aujourd'hui les scandales et les tragédies sont fort plus singulières. C'est le froid des Hommes et pas le frère Hiver, qui tue. l'Abbé Pierre disait simplement que son amour pour le Christ l'empêchait de satisfaire ses besoins affectifs charnels avec une femme, par moyen d'un marriage, ou une relation durable avec une femme mais, pourtant, parfois il l'a fait. Il croyait q'un homme pourrait aimer un autre homme, ou une femme, une autre femme, aussi de cette façon-là. Il a eu un prêtre comme sécretaire pendant beaucoup d'années, de cette singularité affective et il l'a compris. Ils on passé le froid, la misère, la méfiance, chaqu'un vivant l'écharde dans sa chair, en se préoccupant plus des affaires journaliers des pauvres et des misérables. Il s'est mis du côtè de Garaudy, le philosophe de l'Humanisme communiste quand il s'est converti à l'Islamisme et traduit en Justice pour contester la doctrine officielle de l'Holocauste. Il s'est mis du côté des syndicalistes radicaux quand il a cru que c'était le chemin de la vérité et il les a fustigé aussi quand il a cru que c'était encore cette fois-ci, le chemin de la Vérité.
Il a été charnel, sec, tenace, déséspéré, révolté, humain, amusé, en colère, laid et beau comme un viel chêne. C'est pour ça qu'il n'est pas allé pour le ciel. Il est resté en arrière entre les pavés du trottoir que les parisiens de la Commune, arrachaient en rage et jétaient aux soldats, il est resté entre les cailloux des sentiers où les Chouans s'enffuyaient des Républicans de Paris. Il a crié comme un clochard de Paris et vociféré comme um guerrier gaulois nu, se jétant sur les Légions romaines dans une bataille qu'il savait perdue. Avec sa mine de druide, de fou de Dieu, d'anarchiste, de fasciste, de météque, de caillou.
Bénie soit la France de Sainte Jeanne D'Arc qui produit ces animations de la brousse, ces ombres du brouillard de Calais, quand les oiseaux sifflent les mêmes chansons des maquisards et des chouans.
Parce que nous croyons qu'il est vraisemblable que quelqu'Un a souffert et est mort pour nous, en se faisant chair, et poussière et pavé du trottoir, caillou du sol, par que notre vie ne fut pas en vain.

Davos, 25 de Janeiro de 2007, por Joseh Nye

Davos Day 2: The Term "War on Terrorism"

READ MORE: Joseph Nye, Davos

With 800 CEOs, two dozen heads of state, and topics ranging from global poverty to Web 2.0, Davos is impossible to describe. Like the blind men touching the elephant, each participant feels a different part of the beast. My favorite touch for the day went as follows: In a plenary session on terrorism, I asked David Cameron, head of Britain's Conservative Party, whether he agreed with the British Foreign Office position that the term "war on terrorism" was counterproductive because it reinforced the Al Qaeda narrative of being engaged in a holy war. He agreed, and said it would be better to call it a "struggle." Secretary of Homeland Security Michael Chertoff basically ducked the question. (Not long ago, the US State Department had tried to get the White House to stop using the term, but the move was vetoed by President Bush.) Pakistan Prime Minister Shaukat Aziz said not to worry about words because the root causes of terrorism were local deprivation (read: more aid to Pakistan). Gijs de Vries, Counter Terrorism Coordinator for the Council of the European Union, replied that the term "war" not only helped terrorist to recruit, but also led us to justify violating the rights and freedoms that provide the soft power we need to prevail in this struggle. Clearly, where people stood on this question depended on where they sat.


Esnoga 1675 - 2003

Painting of the Amsterdam Esnoga — considered the mother synagogue by the Spanish and Portuguese Jews — by Emanuel de Witte (ab. 1680). The Esnoga in the city of Amsterdam is the oldest continually functioning Sephardic synagogue in the world. It was founded by ex Maranos (Portuguese) Jews in 1675.Ver ARTIGO

Da minha visita a Amesterdão em 2003, trouxe entre outras coisas, uma publicação sobre a Grande Sinagoga ( Esnoga) Portuguesa da cidade, fundada em 1614 e restaurada actualmente no seu esplendor inicial. A publicação em neerlandês contém o serviço religioso judaico completo em língua portuguesa como ainda hoje se pratica entre a comunidade sefardita de que Bento de Espinosa foi um dos mais ilustres filhos.

Aqui deixo só para exemplo dessa lusofonia profunda uma parte dos poema escrito em 1935 por Abraão Alvares Vega (1901-1945) e que ilustra o lusitano, mesmo escorraçado do seu país mas continuando de nação. O poema é ligeiro mas os conteúdos surpreendentes não o são. (A minha tradução do neerlandês não é garantida.)

wij portugezen zijn spanjaarden gewezen
wij voelen ons van adel en zitten hoog in ´t zadel
met veel gewicht beladen wij hebben gravidade

wij portugezen met flegma in ons wezen
wij gaan niet over één nacht ijs, bezien alles voiorsichtig, wijs,
van achteren en van voren; dat noemen wij pachorra

Nós Portugueses apelidam-nos de Espanhóis
Mas sentimos a nossa nobreza e sentamo-nos na sela
Com elevação ; nós temos gravidade

Nós Portugueses somos conhecidos pela fleuma,
Tudo consideramos com cuidado e sabedoria
com previsão e futuro; a isso chamamos pachorra


Gosto desta estampa!
Digam porquê...

Belmiro, por Pedro Cem

Vi a entrevista de Belmiro de Azevedo a Judite de Sousa.
Belmiro tem um discurso cheio de contrastes, de desfeitas, de arestas. Belmiro não brinca em serviço e trabalha como um modêlo. Belmiro não é rico para ser rico mas porque entrou numa competição que lhe deu sentido à vida.
Certamente que Belmiro, se ganhar a OPA da PT, poderá vir a fazer algo de inovador na Indústria Portuguesa. Contudo, tem pela frente o complexo burocrático-lusitano que prefere deixar o Empresário no Norte, na Província, e guardar as Comunicações de Portugal para um conjunto de homens sabidos que, embora gerindo uma empresa privada, se sentem como que proprietários de um privilégio nacional, onde só entram os membros de uma certa élite, onde a Economia se confunde com a política e a política com um certo estilo de vida. Infelizmente, Empresários como Belmiro só existe um. Portugal é demasiado pequeno, havendo só um Belmiro de um lado e o complexo burocrático-lusitano do outro. Belmiro ficará sempre com o valor dos marginalizados, mas também com a etiqueta da deselegância ou da incapacidade estrutural, como uma galinha a querer voar.
Mandaram-lhe Judite de Sousa, uma rapariga de Letras, do Porto, uma mãe valorosa. Ela foi industriada para lhe fazer as perguntas que defendem a prudência, o charme e o veneno do complexo burocrático-lusitano onde o último critério, acaba por ser o bem-estar. A pobre Judite de Sousa até parecia saber de Economia, até parecia saber de Bolsa, até parecia saber de Jornalismo político. Mas Judite de Sousa é também um pilar do complexo burocrático-jornalístico e, de novo, com valor. De charmes queirosianos morre Portugal. E tudo é um Simplesmente Maria, para Adultos.
De Belmiro fica apenas o realismo dum país abandonado a uma luta entre os veludos eróticos de Lisboa e os ódios de morte da Província: "eles fazem como quem pede esmola. Estendem a mão a pedir mais e ninguém lhes deixa nada". " Não vou entregar os pontos ao meu Inimigo". " Pedir não paga imposto", " Só se descobrissem diamantes ou um pôço de petróleo nos edifícios da PT, aquilo se valorizaria mais do que oferecemos", "Os clientes da PT no Brasil, não têm dono", "O Eng. Sócrates é como um Director do Conselho de Administração do Governo. O Primeiro-Ministro vem primeiro e os outros Ministros vêm a seguir", " Existe uma conjuntura feliz entre o Presidente da República e o Primeiro-Ministro". Entre o Engenheiro da Beira Alta e o Empresário do Norte há uma espécie de canto folclórico, antes do rancho girar.


Elsa, Elsa... por Pedro Cem

Quem me dera estar apaixonado, ter dor de barriga, esperança, desespero, por amar! Com a idade aprendemos a ter a paixão num mundo paralelo, onde só vamos por um salto quântico.
Mas que frio aterrador, aquele que emana do silêncio com que Portugal inteiro se diverte com as digressões de Elsa Rapôso, bonita e infeliz mulher, Mãe de três filhos que certamente ama.
Noticia o Correio da Manhã que Elsa, além de se filmar, lança pregões pela Internet, para todos os lados, como se de uma Vénus indiana, com sanha de Kali, na Primavera, se tratasse. E, com isto, gere um negócio, como quem pega numa carteira esquecida sobre a mesa de um Bar.
Tudo isto parece o esgotar de Pompéia antes da erupção, o sight-seeing de Sodoma, antes da chuva de fogo. Como se a única arma desta mulher desprezada, fosse o dizer aos outros o que os outros pensam e calam. E como se a distância que vai da sua figura patética até à muralha da indiferença, fosse o quebrar de todas as interdições. Do alto das muralhas, os sentinelas sociais, olham a pobre viandante despojar-se de tudo, com os miasmas que eles guardam, a portas fechadas, dentro da muralha.
E todos a olhamos com um misto de prazer e deleite. Dentro das nossa muralhas abrimos uma janela dourada para a decadência acelerada de Elsa, esperamos até recolhê-la, feita num farrapo, na discrição da escuridão pois algo desta sua "vida" permanecerá no seu olhar e na sua bôca dorida que nós talvez possamos beijar e dizer "nossa".
Quando uma mulher não tem mais nada que o corpo para agredir é porque a nossa indiferença se tornou numa doença que nos corrói por dentro e pela qual já nem temos coragem para gritar por socorro.


Goa - Mafia e Al Qaeda - O que não se diz

O mundo está cada vez mais a mudar para o mesmo. A Goa chegou agora a Mafia em força e a Al Qaeda discretamente. As forças e movimentos não -estatais preparadas para acções de violência, a que MArtin van Creveld chama de 4ªgeração - actuam. A praia de Morjim é 'mini-Russia' de Goa, como se vê no placard da foto. A comunicação social indiana fala de M o l o t o v    O n    M a n d o v i . A partir da fachada de investimentos em propriedades e turismo, o tráfico de drogas, armas e sexo intensifica-se. Haverá ataques terroistas no futuro

The Russian mafia has barged into Goa, running its arms and
drug trade freely Saikat Datta
Indian security agencies are concerned about the Russian
mafia's invasion
* The mafia is buying huge tracts of land in Goa, Delhi,
Maharashtra through benami companies
* Intelligence feedback is that the Russian mafia is
buying land to set up base for running its arms and
drugs trade
* Goa, with its poor policing, lax administration
is currently the most favoured destination
* There are fears that the Russian pockets of influence
could serve as safe havens for international criminals
and terrorists.
What has also kept Indian security agencies on their toes are
inputs from the CIA that two Al Qaeda operatives had visited
Goa lasts year. According to the US agency, one Yemeni and an
Algerian visited several popular nightclubs and beaches in
Goa, took photographs and conducted elaborate surveys of
beaches frequented by British and Israeli tourists. This was
revealed to the CIA during interrogations and information
gleaned from a laptop recovered in Iraq.


Concentração 1 de Fevereiro

No dia 1 DE FEVEREIRO DE 2007, será evocado o 99º Aniversário do REGICÍDIO que vitimou D. Carlos I e D. Luiz Filipe.

CONCENTRAÇÃO no Terreiro do Paço, junto à placa Evocativa do Regicídio em Lisboa, às 17:00 horas.

Será evocada a memória de um Grande Português, o Conde de Arnoso.



Os neo-liberais portugueses, abundantes na blogosfera, já elegeram o seu preferido para o concurso Grandes Portugueses"


Agora. Por João Pedro Pimenta. Blog de expressão portuense, benfiquista, monárquica, católica e politicamente indeterminada.

Herdeiro de Aécio

Apesar do nome obscuro que homenageia "O Último dos Romanos" destemido em campo de batalha, é um repositório fantástico de informação, nacional e internacional. Tomara muitos jornais ter uma coluna assim.
Vejam, por exemplo, o post sobre a Somália

It is worth.... by David Krieger

David Krieger writes:

It is worth contemplating that the man who told the American people and
their Congress that Iraq had weapons of mass destruction necessitating
war, who took us to war illegally, who has branded innocent men as
"enemy combatants" and held them illegally at Guantanamo, who is
responsible for torture at Abu Ghraib prison, who authorized the
rendition of suspects so they could be tortured in other countries,
whose war in Iraq has led to over 3,000 American deaths, more than
occurred on 9/11, and hundreds of thousands of Iraqi deaths, who has
stretched our military so thin it may be unable to protect the country
in the case of a real crisis, who always asserted he took orders from
his commanders "on the ground" and then fired the commanders who gave
him advice he didn't want to hear, who now offers us "the surge" as a
last desperate attempt to save his own reputation at the expense of
American soldiers, is the same man who has his finger on the nuclear
button, believes in preemptive war and has warned that all options are
on the table, including the nuclear option.


A Guerra Peninsular 1807-1814 - Novo Blog

Um novo Blog a preparar um próximo livro. Por Manuel Amaral e Mendo Henriques.
Aproxima-se o Bicentenário da Guerra Peninsular!

A Guerra Peninsular 1807-1814


Oh! Consolar-me exclama e de mãos trémulas
A epístola fatal lhe cai: perdido
É tudo pois!
Almeida Garrett, Camões, Estância XXIII

Existe uma coincidência espantosa nos remotos anos após o fim da Guerra Peninsular; num tal momento da Pátria e do mundo, em torno de Camões se encontrarem na comunhão da mesma emoção de cons¬ciência nacional o Morgado de Mateus, (edição dos Lusíadas pelo Morgado de Mateus em Paris, na oficina de Firmin Didot. – em 1817 e 1819 expendendo uma fortuna e seu esforço na elaboração da mais monumental edição de Os Lusíadas, e o compositor José Domingos Bontempo, criando a obra-prima que lhe consagra o nome, a Missa de Requiem a quatro vozes consagrada à memória de Camões em 1818. o pintor Domingos António de Sequeira, expondo em 1824 no Salon de Paris A Morte de Camões, (Hoje no. Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa), E Portugal a publicação do poema Camões, de Almeida Garrett, em 1825 que inicia o movimento romântico. A todos Camões oferecia a expressão eloquente de quanto o momento histórico sugeria de pessimismo perante o que se afigurava de morte inevitável; mas também de tónico nas fortes estrofes do grande poema que faziam ressurgir a confiança no futuro. E era tal a certeza que levava o Morgado de Mateus a publicá-lo., Bontempo a tocá-lo, Sequeira a pintá-lo e Garrett a cantá-lo. O futebol tem hattrick. A arte teve quatro em um...


Somália - Mais uma guerra gnóstica

Durante uma década, a Somália foi um caso típico de Estado mais que falhado: desaparecido. Os Somális derrotaram mesmo os estados unidos, simolizado por Blackhawk down. De repente, a campanha Blitzkrieg pelo exército etíope pareceu mudar tudo. Os islamistas foram postos de lado por tanques e jactos. Veio o governo federal transitório, criado há anos mas quase invisível dentro da Somália. O Estado somali foi restaurado - ou assim parece. Este choque directo entre a ordem internacional dos estados e o anti-estado, será um exemplo instrutivo. Se o Estado somali falhar outra vez, o futuro pertence aos gnósticos da quarta geração.

A melhor suposição é que na Somália, a dependência do novo estado perante tropas estrangeiras será fatal. As guerras de estado contra o anti-estado são competições pela legitimidade e nenhum regime estabelecido por intervenção estrangeira pode ganhá-la. Contudo, se os islamistas não se organizarem eficazmente, o novo governo poderá ganhar por defeito. De qualquer modo, é seguro dizer que o resultado em Somália terá um impacto para além das fronteiras daquele pequeno país.


O “churrasco” da Direita Republicana

Neste fim de ano de 2006, parece que o desporto favorito da Direita Republicana Portuguesa é o churrasco dos seus líderes partidários, mas em fogo muito brando. No PSD o "assado" é o dr. Marques Mendes. No PP CDS, é o dr. Ribeiro e Castro. Há razões naturais e outras anti-natura para este procedimento.
A razão natural é que, perante a eventual consolidação da dupla Sócrates-Cavaco até 2009, a Direita Republicana sente que alguma coisa deve ser feita para robustecer a oposição. Vão ser quase 3 anos de oposição complicada. Como os dois grandes ausentes – Marcelo e Portas - ainda não sentem o momento conveniente - descansam a dar sermões na televisão e nos semanários. Quem actua são os “grupos de retirada”. Os Drs. António Pires de Lima, Nuno Melo e Telmo Correia, cada um à vez, acorrem para discutir a liderança do PP. No PSD, o panorama é mais complexo; o dr . Marques Mendes vai sofrendo assaltos do nortenho Meneses que, por sua vez sofre, os assaltos do prof. Marcelo enquanto a dra.ª Paula Teixeira da Cruz ataca na frente Sul. Uma evidência que entra em casa quase todos os dias, é esta balcanização da direita republicana portuguesa.
Mas o procedimento é anti-natura porque o "churrasco elitista" em lume brando dos líderes eleitos, até à véspera das legislativas de 2009, faz mal à democracia. Em vez de se concentrarem nos problemas económicos e sociais com solução política, concentram-se nos problemas de poder interno, cujas soluções não interessam senão a uma oligarquia de umas 3000 pessoas na Grande Lisboa e bastante menos - peço desculpa ao Porto - no Grande Porto. Que o país seja representado por políticos quezilentos que falam para as câmaras de TV como quem condescende em dar pérolas a porcos, como quem faz brilharetes para os amigos mas se está a marimbar para tudo excepto nos cargos, faz muito mal à democracia e à confiança dos eleitores. O ataque aos líderes eleitos e a procura de um líder ausente, em jeito de “mulheres à beira de ataque de nervos”, ofende a inteligência dos eleitores. E este género de exercícios de hipocrisia política são nocivos para quem os pratica e dão mau nome à política e aos políticos da república. No caso do CDS, todos já perceberam o ambiente de guerra aberta entre Ribeiro e Castro e o grupo parlamentar constituído por antigos dirigentes afectos a Paulo Portas. “ Afectos?” Dir-se-ia “ afectados” O mais espantoso é que a Direita Republicana tem dirigentes partidários eficazes. Mas esses não podem falar. Onde está Maria José Avillez no CDS? Onde está no PSD o tal António Borges?
A quem interessa esta situação de “balcanização” da Direita Republicana ? Numa palavra, à Esquerda e ao Big Business. A primeira continua a predominar na comunicação social. Assim, interessa-lhe alimentar o churrasco. Lentamente. Age muito bem, em termos políticos. Parabéns ao discreto dr. Pedro Silva Pereira. Uma vez que o recrutamento de dirigentes partidários na Direita deixou de ser conduzido pelo sentido de interesse nacional e por Causas, passou a servir objectivamente apenas o status quo e os médios e grandes grupos económicos. Quanto ao Big Business vive bem. Para quê incomodar-se com líderes da oposição, se tem o líder do governo pelo seu lado? Assim desinteressa-se do caso, deixando o terreno para actores menores
Bem gostaríamos que a Direita Democrática Portuguesa fosse mais digna. O eleitorado assim o merece com a sua espantosa constância de voto nos 2+ 2 partidos, uma constância que tornou Portugal um case-study de toda a politologia europeia. Os próprios partidos democráticos - que prestaram um serviço ao país após o 25 de Abril, afastando o espectro totalitário – mereciam melhor e deviam ser restaurados na formação de quadros, juventudes, debate interno, proximidade aos eleitores, etc. Onde isso já lá vai! –
Mas enquanto a Direita Democrática for republicana, auguro o pior! Não tem princípios, não tem causas, não tem desígnio senão passar de oposição a poder. Qual o espanto que se entretenha com o churrasco dos seus dirigentes?


Calma para o Ano Novo!

Um pastor da Serra da Estrela está perto do seu rebanho num pasto remoto quando de repente chega um BMW novinho com uma nuvem de poeira. Dele sai um indivíduo de uns 30 anos , com fato Brioni, sapatos Gucci, óculos de sol rayban e gravata YSL e pergunta ao pastor. "Se eu o disser exactamente quantas vacas você têm no seu rebanho, dá-me uma vitela?" O pastor olha o homem, a seguir olha o rebanho e responde, "Certo, porque não?" O indivíduo estaciona o carro, tira o computador Apple, liga-o ao telemóvel Cingular RAZR V3, e surfa uma página da NASA na Internet, onde chama um sistema de navegação satélite GPS para saber a sua posição exacta. Depois, chama outro satélite da NASA que faz a varredura da área com uma foto de alta definição. De seguida, abre a foto digital no adobe Photoshop e exporta-a para uma empresa de processamento de imagem em Hamburgo. Dentro de segundos, recebe um email no palm Pilot com imagem processada e os dados armazenados. Depois acede a uma base de dados MS-SQL através de um ODBC com uma folha de cálculo Excel e, após alguns minutos, recebe uma resposta. Finalmente, imprime um relatório de 3 páginas numa impressora miniaturizada hi-hi-tech, LaserJet e finalmente mostra-a ao pastor e diz: “Você tem exactamente 158 vacas e vitelos."
"Está certo” diz o pastor, pode levar um dos animais.
O indivíduo selecciona um dos animais e perante o olhar divertido do pastor, coloca-o no carro. Então diz o pastor, "Se eu lhe disser exactamente a sua ocupação, restitui-me o animal?" O indivíduo diz : "OK, porque não?" "Você é um funcionário da União Europeia ", diz o pastor "Boa! "diz o indivíduo," como acertou?" "É fácil " respondeu o vaqueiro. "Você apareceu aqui sem ninguém o chamar. Quer ser pago por uma resposta que eu já sei, a uma pergunta que eu nunca coloquei. Tentou mostrar-me que é mais esperto do que eu; e não sabe o que são vacas... Isto é um rebanho de ovelhas. Olhe, e agora, como combinado, restitua-me o meu cão."

Blogs recomendados

Embora há muito tempo leia, só agora fica a recomendação do INTERREGNO. Tempus fugit!


Discurso tácito

A Assembleia da República precisa de bandeira própria para mostrar que actua muito ou para disfarçar que actua pouco? O novo símbolo do órgão de soberania seria útil se viesse corresponder a uma alteração da sua postura, a um refroço dos seus poderes quando a maior parte da legislação é do Governo por autorização parlamentar. E num momento em que se afirma a importância de referendos, a AR vem indicar que é a única arena de transmissão da opinião pública. A democracia directa - referendo e direito de petição - vai para as malvas. Ou será que quiseram responder ao Forum da Democracia Real ?

Igreja célere

O bispo Stanislaw Wielgus foi obrigado a renunciar ao cargo de arcebispo de Varsóvia, após admitir que espiou em favor dos serviços secretos na era comunista da Polónia. Prevaricou, pagou, mesmo que os actos datem de há vinte anos. O episódio revela como a Igreja Católica mantém a memória longa e a acção rápida, numa acção simultaneamente nacional e internacional. Eleito a 6 de Dezembro, um mês depois , está fora. O papa Bento XVI está cada vez melhor!


Enforcamento - A história em directo no telemóvel


Officials taunted Saddam on the gallows. After he falls through the trap, abruptly cut off in his recitation of the Muslim profession of faith, someone in the room cries "The tyrant has fallen!" and the film shows the 69-year-old former strongman swinging on the rope, his eyes open and his neck twisted at a 90-degree angle to his right.

WARNING Some viewers may find the video disturbing. It should only be watched by a mature audience. 12/30/06 Runtime 3 Minutes

PARA DESCONTRAIR E NÂO PERDER - http://www.planetdan.net/pics/misc/georgie.htm