27.2.08

No Brasil










Na semana de 3 a 7 de Março estarei em S. Paulo, por amável convite da É Realizações! de Edson Filho, e onde Olavo de Carvalho publica seus belos livros para proferir um Curso sobre Eric Voegelin e apresentar duas obras Hitler e os Alemães e Autobiografia.

Aqui deixo com o link da É! ( to on) o sumário desse meu Curso.

1. Uma nova história da filosofia política é necessária para ser um instrumento efetivo de libertação em face do clima de opinião dominante. Ademais, o estudo da teoria política tem capital importância para a educação cívica de cada comunidade nacional e das poliarquias em construção. Os conceitos de ordem política subjacente às democracias e que conferem sentido à existência pública e privada das pessoas encontram-se na história da teoria política ocidental que constitui uma realidade multicultural na qual se confrontam opções distintas.

A maior parte das histórias da teoria política não ensina que os conceitos políticos se baseiam na racionalidade da consciência; apenas os expõem enquanto idéias e fenômenos circunstanciais, dependentes do tempo, desprovidos de validade universal e só justificados pela “marcha da história” que culmina no presente. Fornecem uma perspectiva de desenvolvimento orgânico dessas idéias mas não desenvolvem os critérios teóricos necessários à análise da ordem e da desordem. A generalidade dessas histórias da teoria política revela um perfil anti-religioso e anti-humanista. Por exemplo, a época moderna é vista como um período culminante de libertação e desenvolvimento intelectual, de desenvolvimento de novas formas políticas e de renovação cultural. Esses progressos existem, mas a renovação de bases dessacralizadas também conduziu aos desastres contemporâneos de totalitarismos, fundamentalismos, genocídios, oligarquia financeira mundial, assalto ao estado burocrático, desenraizamento social e anomia. Quando tais desoladores aspectos da modernidade não são considerados, os textos implicitamente renegam a validade da avaliação realista da natureza humana que surge nas obras da tradição política clássica e cristã.

Será preciso contrariar estas fraquezas efetuando uma apreciação da nova ciência da política de Eric Voegelin, que contém as seguintes premissas:

1. A teoria política dirige-se à questão da ordem da humanidade. Através do desenvolvimento singular do homem ocidental, a teoria política é um modo de análise da realidade que interpela toda a ordem da humanidade. Como tal, os seus princípios não são relativos ao Ocidente mas são centrais para a ordem da ciência do homem enquanto homem.

2. O desenvolvimento da consciência humana de ordem tem uma história. A teoria política não é um mito. Se queremos compreender a natureza da teoria, devemos investigar a sua origem na oposição ao mito.

3. A Cristandade modificou a teoria política recebida da herança de Sócrates, Aristóteles e Platão. A teoria política clássica procurou responder a questões acerca da ética e da política colocadas pelos cidadãos das cidades-estado gregas. As suas respostas eram aplicáveis a gregos e a não-gregos no âmbito da pólis grega, mas não em impérios ecumênicos. A resposta clássica à questão “Qual o melhor modo de vida?” é ainda “a vida do justo”. E permanece válida a afirmação socrática de que a existência não vigilante não vale a pena ser vivida. Mas a existência numa sociedade não mítica, delineada pelas aquisições da filosofia clássica e da Cristandade é qualitativamente diferente. A teoria política é praticada por pessoas conscientes da sua humanidade universal; a justiça ou injustiça das suas vidas reflete normas, costumes e razão delineados pelas verdades teológicas de Israel e da Cristandade.

4. A razão e a crença são ambas de ordem racional, como expressa a máxima de Santo Agostinho “Credere ut inteligere”. Como Michael Polanyi argumentou, mesmo os cientistas progridem na sua tarefa confiando em princípios de conhecimento científico elaborados fora da sua especialidade. Dentro da sua especialização não progridem mediante a eliminação de todas as alternativas possíveis, mas de acordo com a crença tácita de que uma série de experiências trará melhores resultados do que outra.

Há um outro nível de racionalidade que sublinha a crença. Como afirmou Platão ao criar o conceito de teologia, as verdades teológicas são verdadeiras porquanto são racionais. A verdade da filosofia política clássica – o homem é responsável pelas suas ações, não os deuses ­– tem o seu correlato na verdade teológica de que Deus é transcendente, não é intra-cósmico. Com base neste princípio, Platão desenvolveu uma filosofia política que investiga racionalmente a relação entre as realidades humana e divina. Por seu turno, isto conduziu à formulação de verdades que seriam a pedra cimeira da legislação sobre a comunidade política “absolutamente melhor”: os deuses são a origem do que é bom, não do mal e não mudam de forma. A este começo teológico (ignorá-lo implica uma distorção da filosofia política platônica) acrescentaram-se as verdades teológicas de Israel e dos Evangelhos, e encontram um eco difuso nas religiões do que Karl Jaspers chamou de Era Axial. A experiência revelatória, embora simbolicamente distinta da experiência noética da teoria política clássica, é a experiência humana. Como tal é um aspecto da ordem política e deve ser considerada numa história da teoria política.

5. O desenvolvimento da teoria política moderna, apesar de evidenciar uma continuação das propriedades formais da filosofia política, representa uma ruptura com as simbolizações da ordem e da história presentes na Hélade, em Israel e no Cristianismo. Esta ruptura é visível em várias características da teoria moderna, entre as quais: a) pretensa irracionalidade da verdade revelada; b) dicotomia radical entre sujeito e objeto; c) prioridade do eu autônomo sobre a comunidade; d) tendência para a neutralidade ética; e) necessidade de uma religião civil para suplantar a teologia civil Cristã que perdeu autoridade; f) asserção unilateral dos direitos do homem contra o clássico direito da natureza e a lei natural Cristã; g) eclipse dos valores tradicionais. Na sua forma mais perniciosa, a teoria política moderna degrada-se totalmente na forma de ideologia.

6. A recuperação da teoria política esteve em curso no séc. XX como se depreende das novas filosofias da história (Bergson, Voegelin); da análise das origens religiosas da rebelião moderna (Arendt, Camus); da dimensão teológica da teoria política clássica (Jaeger); da recuperação do papel do mito nas civilizações pré-filosóficas (Frankfort, Eliade, Pessoa); do valor da teoria clássica e cuidadosa interpretação de textos (Strauss); e das dimensões tácitas da ciência (Polanyi, Lonergan).

A força principal deste trabalho reside no fato de que a investigação especializada, sobre o qual assenta, já está realizada. Falta agora orquestrar os materiais disponíveis num texto legível cujas intuições sejam partilhadas numa nova história da filosofia política. Como tal, este trabalho é um esforço de resistência às hipóteses e cenários dominantes de muita teoria política contemporânea, de “direita” e de “esquerda”. Escusado será dizer que tal empenho é raro e subverte as forças intelectuais corrosivas que dominam o clima presente de opinião, tais como o relativismo moral, o materialismo filosófico, a mentalidade de fim ­da história, as desconstruções pós-modernistas, o agnosticismo, o niilismo, o ativismo milenarista, as religiões new age, o poder pervasivo do dinheiro, etc.

Dias 5 e 6 de março de 2008 das 19h30 às 22h30

Local: Espaço Cultural É Realizações
Rua França Pinto, 498 - Vila Mariana - São Paulo - SP
(próximo ao metrô Ana Rosa)
Inscrições e informações: (11) 5572-5363 ou eventos@erealizacoes.com.br
Valor: R$ 200,00
Docente: Prof. Dr. Mendo Castro Henriques

18.2.08

Mais um "projéctil" governamental



Os detalhes da construção da ponte Chelas-Barreiro nunca foram revelados publicamente pela RAVE ou pelo Ministério, para uma avaliação pelo cidadão. Tudo é feito por forma a tornar o processo num facto consumado. José Almada explica tudo no jornal on line Portugueses

3.2.08

Louvor em vez de cerimónias fúnebres



Agora que passou o momento fúnebre do 1 de Fevereiro, li isto em As Vicentinas de Bragança:
"À Monarquia devemos várias coisas: o não sermos Espanhóis, o, lentamente, termos desenvolvido aquela fronteira vital, que é a da Língua; a nossa maior epopeia, enquanto povo, os Descobrimentos, e, por fim, uma restauração da Independência, sobre a qual muito haveria a dizer, mas não hoje, e a implantação de uma Democracia Parlamentar que, mais coisa, menos coisa, é a irmã mais velha do sistema em que hoje vivemos, e convivemos."

Concordo. Em rigor, como escreveu o Paulo Bernardino, devia ter-se celebrado um Te Deum pelo que fizeram os reis vivos na memória, em vez de um Requiem apenas pelos assassinados no Terreiro do Paço.

1.2.08

Hoje estarei no Terreiro do Paço

1 de Fevereiro de 2008, um dia que é um ponto de partida. As numerosas expressões de insatisfação perante "cem anos sem rei" vindas dos mais diversos quadrantes e personalidades mostram um fervor que não é encomendado, e um propósito comum de reconciliar o país com os seus reis. Não se trata de restaurar mas de mostrar que o país só tem futuro desde que haja coisas que não têm preço.
Hoje estarei no Terreiro do Paço e contei aqui a minha história