31.3.05

Merecido êxito de José Adelino Maltez

Estive no lançamento nesta quinta-feira, dia 31 de Março, na Biblioteca Municipal do Palácio Galveias, em Lisboa, do 2º volume do "Tradição e Revolução", a biografia política de Portugal, de 1910 a 2005. A edição da Tribuna da História, fica com dois volumes com 1500 páginas. A apresentação de Marcelo Rebelo de Sousa foi muito sentida e inteligente. A obra, disse é indispensável, e constitui como que os Anais do Portugal Contemporâneo. O autor, afinal, é um reformista e não um radical, e as suas simpatias e subjectividades são o nosso melhor guia nas sendas contemporâneas. Na sua intervenção, Jose Adelino MAltez provou por que razão é o mais lúcido analista actual da consciência portuguesa. O nosso problema é de organisação do trabalho, dos recursos humanos. A nossa classe política é dinásticamente viradeira, desde há muito. Em contrapartida, a educação generalizada na democracia permite aumentar os recursos onde iremos buscar os nossos representantes.

Concordo com tudo e, por isso, nada mais acrescento senão que fico contente de ter indicado o livro para ser publicado na colecção que dirijo com o José Adelino e o Artur Morão. E deixo as palavras do, livro:

" Neste segundo volume, abrangendo os períodos da I República, do Estado Novo e da chamada III República, do abrilismo a Sócrates, há uma introdução onde se tenta uma caracterização do Portugal contemporâneo, ou a tradução em calão do jacobinismo concentracionário; um elenco dos erros sem tragédia na constituição a que chegámos, ou a procura das leis fundamentais; a teoria do revolucionarismo permanecente, ou a procura frustrada da Idade de Ouro; o elenco da guerra civil fria, ou as sociedades secretas e a questão político-religiosa; e um balanço do compadrismo e da corrupção.

De resto, um império que já não há, uma língua que é futuro, dois regicídios, outros tantos magnicídios, três guerras civis, campanhas de ocupação e guerras coloniais em África, uma permanente guerra civil ideológica, três bandeiras, uma guerra mundial, seis constituições escritas, sete presidentes eleitos pelo povo, oito monarcas, a separação de nove Estados independentes e, muito domesticamente, quinze regimes, com duas monarquias e três repúblicas, sem que voltasse D. Sebastião, apesar dos heróis do mar e do nobre povo. Mais: oitenta eleições gerais, cento e vinte e tal governos, 13 233 dias de salazarquia, duzentas turbulências golpistas, cinco revoluções, outras tantas contra-revoluções, com restaurações, nostalgias, utopias e reviralhices. Oito dezenas e meia de chefes de governo, cerca de meio milhar de partidos e facções, várias congregações e outras tantas maçonarias, muitas fragmentações de um todo que resiste, com mais de cinco mil factos políticos seleccionados. E sempre a frustrada modernização de um Portugal Velho que quis ser reino unido e armilar, entre antigos regimes e jovens democracias. Graças à balança da Europa: desde El-rei Junot ao estado a que chegámos, com passagem por Évora-Monte, Gramido, Ultimatum, Grande Guerra, neutralidade colaborante, Vaticano, CIA, KGB e integração na CEE. Sobretudo, um povo sem rei nem lei e até sem sinais de nevoeiro."

1 comment:

cc Infopage said...

Hello,

I am searching for fresh information
for my cc Infopage, 30,000 daily updated Information Pages about all kind of subjects.

It might interest you to know that your blog has been visited and has been read. I hope you enjoy your "Blogging".

I wish you all the luck I can, keep the good work going!

Kind regards,
Jos
Today's News From & About Google